Queda recente das ações da OdontoPrev é injustificável, alerta HSBC | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

Queda recente das ações da OdontoPrev é injustificável, alerta HSBC

PUBLICADO EM: 22.1.12 | 14H13
Desvalorização de 21,5% em duas semanas abre oportunidade de ganhos, destaca analista
Indicadores na BM%26FBovespa

Preço-alvo (dez/11) para os papéis da Odontoprev foi mantido em 27,50 reais pelo HSBC, um potencial de valorização de aproximadamente 35%

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo – Chegou a hora de comprar ações da OdontoPrev (ODPV3). Esta é a afirmação do HSBC, que em seu relatório elevou a recomendação das ações ordinárias da companhia para overweight (alocação acima da média de mercado). Para o analista Luciano Campos, o tombo de 21,5% das ações nas últimas duas semanas é injustificado. “Essa baixa está relacionada em grande parte com as preocupações com a inflação. Contudo, os lucros da OdontoPrev não são muito sensíveis à alta nos preços. Não podemos dizer quando a queda rápida observada nas últimas duas semanas acabará. Porém, as ações já parecem muito atrativas no preço atual”, lembra Campos. O preço-alvo (dez/11) para os papéis foi mantido em 27,50 reais, valor que representa um potencial de valorização de aproximadamente 35%.

OdontoPrev X Inflação

O relatório destaca ainda que a inflação de custos pode ser compensada por ganhos de eficiência da empresa. “As indenizações representam aproximadamente 54% do total de custos e estão expostas à inflação através da tabela de preços que regulamenta os pagamentos aos dentistas por cada serviço prestado. Além disso, a frequência de uso por cliente também é um componente muito importante das indenizações. No caso de serviços odontológicos, a frequência diminui com o tempo se cada serviço for realizado com qualidade e se os clientes visitarem o dentista periodicamente. A OdontoPrev tem apresentado desempenho muito bom nesse sentido. Portanto, as indenizações podem aumentar menos que a inflação em 2011 e 2012”.

Segundo a avaliação do HSBC, outro fator importante é o preço protegido por contratos. Campos explica que eles possuem cláusulas de reajustes anuais atrelados a índices de inflação escolhidos pelo cliente. “No passado, quando a empresa estava em uma guerra de preços com a Bradesco Dental, essas cláusulas não eram muito impostas. Porém, o cenário competitivo dos próximos dois anos é bem diferente e as cláusulas provavelmente serão impostas”.

Por fim, o banco afirma que, conforme a empresa desenvolve novos canais de distribuição com o Bradesco, a expectativa é de um aumento da participação de menores contas corporativas na base de clientes, fato que pode elevar os preços médios acima da inflação nos próximos anos.

Leia mais: 10 notícias para lidar com os mercados nesta terça-feira

Direto da Bolsa: Mercado dá um chega pra lá nos primeiros IPOs de 2011

titulo da tabela


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame