MERCADOS

Itaú diz que Petrobras merece confiança desconfiada

PUBLICADO EM: 13.12.13 | 16H09
Analista de petróleo e gás do banco se encontrou com Maria das Graças Foster para questionar a executiva sobre a adoção da nova metodologia de ajuste dos preços
Preços de gasolina, álcool e diesel vistos na placa de um posto de combustível, ao lado do tráfego na praia de Copacabana no Rio de Janeiro

Preços de gasolina, álcool e diesel vistos na placa de um posto de combustível, ao lado do tráfego na praia de Copacabana no Rio de Janeiro

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - A analista de petróleo e gás do Itaú Unibanco, Paula Kovarsky, se encontrou na segunda-feira com a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, para questionar a executiva sobre a adoção da nova metodologia de ajuste dos preços dos combustíveis. Segundo Paula, a cúpula da estatal “provou que merece nossa confiança, mas não podemos esquecer de que o conselho não mudou”.

Apesar de dar à analista poucos detalhes sobre a nova metodologia adotada, a Petrobras deixou a impressão de ter, pelo menos, estabelecido um processo que obriga o conselho da empresa a avaliar de forma mais objetiva o impacto dos preços do óleo diesel e da gasolina sobre o balanço patrimonial da companhia.

Em relatório enviado a clientes, a analista do Itaú afirma que a Petrobras pode não ter conseguido que o conselho aprovasse a metodologia como um gatilho automático para reajustes de preços, “mas criou uma política comercial para os preços de óleo diesel e gasolina que não existia antes”.

A presidente da Petrobras afirmou, durante a conversa, que a nova metodologia será usada como referência para reajustes no futuro, à medida que eles forem aprovados pelo conselho. Graça Foster qualificou o novo cálculo como “simples e objetivo, seguindo a paridade internacional com base nos preços do petróleo e nas taxas de câmbio e incluindo custos de importação quando aplicável”.

Projeções

A analista mantém sua recomendação de manutenção para as ações da Petrobras, com perspectiva de desempenho em linha com a média do mercado (market perform), e preço justo de R$ 23,60 para as ações preferenciais (PN, sem direito a voto) no fim de 2014.

Antes do anúncio da adoção da nova metodologia, feito em 30 de novembro, Paula avaliava que a cotação das ações PN já incluía as expectativas elevadas de que uma fórmula de preços clara para diesel e gasolina seria adotada. “A ação está quase 20% abaixo do preço máximo atingido em 18 de outubro e 15% abaixo do pico que veio após o comunicado inicial formal sobre a fórmula em 28 de outubro”, lembra a analista.

Após as mensagens pouco claras do governo, ela avalia que os investidores estarão mais relutantes em seguir com essa trajetória positiva de precificação. Ainda assim, a analista afirma que o cenário poderá ficar mais favorável para as ações “se e quando forem concedidos reajustes adicionais, especialmente se a produção começar a crescer no ano que vem, conforme esperamos”.

Perto do fechamento do pregão de hoje, as ações PN da Petrobras subiam 0,24%, negociadas a R$ 16,81, e os papéis ordinários (ON, com voto) tinham leve alta de 0,06%, a R$ 15,67. O Índice Bovespa caminhava para fechar em queda de 0,06%, aos 50.038 pontos.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame