Exame Invest
Mercados

S&P rebaixa rating de crédito da PDG

PUBLICADO EM: 15.7.13 | 16H02
Segundo a agência de classificação, o rebaixamento reflete uma expectativa negativa de fluxo de caixa para empresa
PDG Realty

Na visão dos analistas, a PDG não será capaz de reverter o quadro de fluxo de caixa negativo em 2013, mesmo após ajustes significativos em sua estratégia de atuação

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s rebaixou hoje as notas de risco de crédito da construtora PDG Realty (PDGR3) de “BB-“ para “B” na escala global e de “brA-” para “brBB+” na escala nacional. Os ratings foram colocados em perspectiva negativa.

Segundo a S&P, o rebaixamento reflete uma expectativa negativa de fluxo de caixa para empresa. As exigências de capital de giro da PDG devem atingir o pico em 2013, à medida que a empresa conclui seus atuais projetos de construção. Para a agência, esse cenário terá impacto negativo na geração de caixa operacional da companhia pelos próximos dois anos.

Na visão dos analistas, a PDG não será capaz de reverter o quadro de fluxo de caixa negativo em 2013, mesmo após ajustes significativos em sua estratégia de atuação.

“De acordo com nosso cenário-base, com perspectivas mais conservadoras do que as da empresa, o capital de giro da PDG atingirá o pico nesse ano, e as métricas de crédito permanecerão muito fracas”, diz o comunicado da S&P.

Além disso, a reestruturação pela qual a PDG passa atualmente fará com que a empresa reduza o porte de suas operações, comprometendo os resultados dos próximos semestres. “Esperamos que a PDG mantenha uma estratégia de crescimento conservadora, com R$ 2 bilhões a R$ 2,5 bilhões de novos projetos anualmente até 2014.”

Segundo a S&P, os rebaixamentos na classificação de risco de crédito refletem uma avaliação do perfil de negócios da PDG como “regular”, e do perfil de risco financeiro como “altamente alavancado”.

Sobre a perspectiva negativa da classificação, os analistas afirmam que elas refletem as incertezas quanto à capacidade da PDG de melhorar seu desempenho nos próximos três semestres, pelo menos. Para a S&P, a construtora terá condições de melhorar o desempenho de suas operações apenas a partir de 2015.

Por volta das 14h50, as ações ordinárias (ON, com voto) da PDG operavam estáveis, negociadas a R$ 1,69. O Índice Bovespa tinha 1,94% de alta, aos 46.416 pontos.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame