S&P rebaixa ratings da Petrobras e da Eletrobras | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

S&P rebaixa ratings da Petrobras e da Eletrobras

PUBLICADO EM: 24.3.14 | 23H36
Agência rebaixou o rating corporativo em escala global da Petrobras para BBB-, de BBB, em linha com a redução da nota soberana do Brasil
Linhas de transmissão de energia da Eletrobras

Linhas de transmissão de energia da Eletrobras:  agência de classificação de risco também cortou o rating corporativo em moeda estrangeira da Eletrobras para BBB-, de BBB

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Brasília - Duas das maiores empresas brasileiras, as estatais Petrobras Eletrobras, começaram a semana de forma dramática. Na esteira do rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela agência Standard & Poor's (S&P), as duas companhias tiveram suas avaliações de crédito reduzidas a BBB-, a menor nota possível dentre o grupo de empresas consideradas como "grau de investimento".

O selo de "grau de investimento" garante à empresas e países acesso a dinheiro de grandes investidores institucionais do exterior, como fundos de pensão e fundos soberanos. Caso Petrobras e Eletrobras sejam novamente rebaixadas, os gestores desses fundos estarão proibidos, por estatuto, de aplicar seu dinheiro nas companhias.

O rebaixamento da Petrobras ocorre em um momento em que a empresa está no olho do furacão político, depois que a presidente Dilma Rousseff enviou nota ao 'Estado', na semana passada, afirmando ter autorizado a compra da refinaria de Pasadena (EUA), em 2006, a partir de um documento "falho", que "omitiu" cláusulas contratuais importantes.

O documento fora produzido pelo então diretor da área internacional da estatal, Nestor Cerveró, e chancelado pelo diretor de refinaria, Paulo Roberto da Costa. No dia seguinte à publicação da reportagem, a Polícia Federal (PF) prendeu Costa, no âmbito da Operação Lava-Jato. Cerveró foi demitido da estatal no fim da semana passada. Dilma presidiu o conselho de administração da Petrobras enquanto era ministra-chefe da Casa Civil de Lula, entre 2005 e 2010.

Além disso, a estatal de petróleo e gás vem sofrendo um lento processo de desgaste econômico e financeiro, iniciado no fim de 2011. O consumo de combustíveis aumentou fortemente no País, ao mesmo tempo em que o governo manteve o preço da gasolina praticamente congelado, exigindo da Petrobras mais gastos com a importação de combustíveis, e reduzindo suas receitas.

Limites

A companhia também sofreu com uma inédita queda na produção em 2013, por conta da redução da produtividade de campos mais antigos, e por paradas técnicas em refinarias. A inflação pressionada praticamente impossibilita um novo reajuste da gasolina neste ano, o que suavizaria os problemas de caixa da empresa.A intervenção direta do governo também tem sido apontada pelo mercado como a principal razão de fracasso econômico da Eletrobras.

A empresa sofreu um baque imediatamente após a edição do pacote, em setembro de 2012, que resultou na redução da conta de luz. Dilma antecipou a renovação das concessões de geração e transmissão que venceriam entre 2015 e 2017, e o governo forçou a adesão da Eletrobras ao jogo, à revelia dos acionistas minoritários. A estatal viu seu valor de mercado cair drasticamente, e desde então tem reduzido seus investimentos, e "sobrevivido" às custas das indenizações pagas pelo governo.

A Eletrobras deseja vender as seis distribuidoras de energia que detêm, como antecipou o 'Estado' em fevereiro, como forma de fazer caixa.

Matéria atualizada às 23h34min, para adicionar mais informações.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame