Exame Invest
MERCADOS

Terremoto no Japão aumenta volatilidade nas bolsas

PUBLICADO EM: 7.4.11 | 14H19
Ibovespa, que ameaçava subir, ficou mais tempo no negativo
Destruição na cidade de Iwate, no Japão

O medo dos investidores é de novos danos a usinas nucleares no Japão depois de mais um terremoto

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - Um novo terremoto no Japão adicionava volatilidade aos mercados domésticos nesta quinta-feira, em uma sessão marcada pela queda de mais de 1 por cento do dólar, abaixo de 1,600 real.

Um alerta de tsunami foi emitido para a costa nordeste do Japão, gravemente atingida pelo terremoto de 11 de março.

Após a notícia do sismo de 7,4 graus, as bolsas norte-americanas aceleraram a queda, e o Ibovespa, que ensaiava subir, passou a ficar mais tempo em território negativo.

O principal medo dos investidores é de novos danos a usinas nucleares no Japão. Até o momento, contudo, não foram registrados novos problemas na usina de Fukushima-Daiichi, palco do maior desastre atômico em 25 anos.

No Brasil, o tremor dividia as atenções com o mercado de câmbio, o dólar caía ao menor nível desde agosto de 2008, abaixo de 1,600 real, mesmo após o aumento do IOF para empréstimos externos até dois anos. A avaliação era de que a medida, considerava apenas paliativa, demonstra a ausência de opções do governo no combate à queda do dólar. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que não quer tomar medidas "drásticas" para não reduzir os investimentos no país.

Muitos analistas também afirmam que a queda do dólar pode ser útil ao governo no controle da inflação. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,79 por cento em março, acima do teto das expectativas. Em 12 meses, a inflação pelo ICPA já alcança 6,3 por cento, maior patamar desde novembro de 2008 e perto do teto da meta.

Em uma leitura com participação maior de preços no atacado, porém, houve uma desaceleração significativa da inflação. O IGP-DI subiu 0,61 por cento em março, ante alta de 0,96 por cento em fevereiro, informou a FGV. [ID:nN07286836] No exterior, o Banco Central Europeu (BCE) confirmou a expectativa do mercado e elevou o juro em 0,25 ponto percentual, no primeiro aumento desde o auge da crise financeira, em 2008. O mercado se surpreendeu, contudo, com a indicação de que o banco não está comprometido com novas altas ainda este ano.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame