Exame Invest
Mercados

Valor de mercado da OGX cai 62,79% em 2013

PUBLICADO EM: 13.5.13 | 12H01
Conforme levantamento, o valor de mercado da OGX passou de R$ 14,174 bilhões em 31 de dezembro de 2012 para R$ 5,275 bilhões em 10 de maio de 2013
Plataforma de petróleo da OGX na Bacia de Campos

OGX: a companhia aberta brasileira que teve maior queda porcentual em valor de mercado em 2013

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - A companhia aberta brasileira que teve maior queda porcentual em valor de mercado em 2013, até o dia 10 de maio foi a OGX, com recuo de 62,79%, enquanto a que registrou maior alta foi a Braskem, com avanço de 33,92%.

É o que revela estudo feito pela consultoria Economatica com 300 empresas.

Conforme o levantamento, o valor de mercado da OGX passou de R$ 14,174 bilhões em 31 de dezembro de 2012 para R$ 5,275 bilhões em 10 de maio de 2013. A segunda maior desvalorização em termos porcentuais foi a da Oi, com queda de 44%, para R$ 7,884 bilhões, seguida da CSN, com recuo de 38,53%, para R$ 10,629 bilhões.

A empresa com maior queda nominal no valor de mercado em reais em 2013 é a Vale, com perda de R$ 42 bilhões (-19,56%), para R$ 173,028 bilhões, seguida pela OGX, com queda de R$ 8,899 bilhões.

Porcentualmente, a maior valorização foi da Braskem, com +33,92%, para R$ 11,711 bilhões, seguida por Embraer (+24,99%, para R$ 13,119 bilhões), e Pão de Açúcar (+21,38%, para R$ 28,909 bilhões).

Entre as maiores altas nominais, os destaques foram Itaú Unibanco, com aumento de R$ 10,182 bilhões (+6,99%) em valor de mercado, para R$ 155,924 bilhões, e Bradesco, com crescimento de R$ 9,897 bilhões (+7,50%), para R$ 141,805 bilhões.

Ainda de acordo com o levantamento, em conjunto, o valor de mercado das 300 companhias de capital aberto caiu 1,44%, para R$ 2,330 trilhões, em 2013 até a sexta-feira, 10, na comparação com 31 de dezembro de 2012.

O setor com maior porcentual de queda de valor de mercado é o de siderurgia e metalurgia, com -26,11%, para R$ 47,180 bilhões, seguido pelo de mineração, com -19,5%, para R$ 177,909 bilhões.

Já o setor com a maior alta porcentual no valor de mercado é o de eletroeletrônicos, com valorização de 22,13%, para R$ 10,079 bilhões. Em segundo lugar, vem o setor químico com +20,94%, para R$ 44,876 bilhões.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame