Exame Invest
Minhas Finanças

25% dos brasileiros admitem que fazem compras escondido do parceiro

PUBLICADO EM: 6.6.21 | 8H25
ATUALIZAÇÃO: 6.6.21 | 7H38
31% dos casais não realizam nenhum controle de suas finanças, e apenas 35% controlam os gastos de maneira conjunta

Pesquisa sobre finanças em casais foi feita com 3.800 pessoas pela fintech Onze | Foto: AntonioGuillem/Thinkstock

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O companheirismo e a lealdade são requisitos básicos para manter um relacionamento saudável. Mas será que essas virtudes acompanham os casais brasileiros quando o assunto é dinheiro?

Para descobrir a resposta, a Onze, fintech de previdência privada e saúde financeira, realizou uma pesquisa com 3.800 pessoas entre os dias 19 e 24 de maio.

Comece a poupar e alcance a sua liberdade financeira

A conclusão é que 91% da amostra dizem considerar suas finanças transparentes e 87% afirmam que as finanças do(a) parceiro(a) são muito claras.

Contudo, apesar de se considerarem fiéis financeiramente, 25% fazem compras escondidos ao menos uma vez por ano, sendo que 15% afirmam que a omissão é um hábito praticado ao menos uma vez por mês. A prática é mais comum entre aqueles que não fazem planejamento financeiro em conjunto.

Do total, 73% dividem as despesas domésticas, mas 42% afirmam que uma das partes paga a maioria das contas, enquanto 27% arcam sozinhos com as despesas. Apenas 7% consideram injusta a divisão das contas.

O estudo mostra que o plano financeiro, seja ele feito pelo casal ou individualmente, ainda é uma dificuldade para a maioria das pessoas. 31% dos casais não realizam nenhum controle de suas finanças. Apenas 35% controlam os gastos juntos.

O estudo da fintech mostra que 33% dos casais têm rendas semelhantes. Já entre aqueles com salários discrepantes, é comum que os homens ganhem mais.

Investimentos

O estudo também revela que há quem prefira cuidar de seus investimentos sozinho. Dos 3.800 entrevistados, 40% investem, 22% por conta própria e apenas 17% em conjunto com o(a) parceiro(a). Ainda assim, estes perfis são minoria, pois 60% não fazem qualquer tipo de investimento.

Os objetivos variam de acordo com o gênero. Os homens tendem a poupar para reservas de emergência (51%), independência financeira (28%), conquista de imóvel próprio (21%) e garantia do futuro dos filhos (20%).

O mundo está mais complexo, mas dá para começar a investir com o básico. Veja como

As mulheres também priorizam fundos de emergência (45%) e poupam mais pensando no imóvel próprio (29%) e no futuro dos filhos (21%). A independência financeira aparece em quarto lugar (18%).

Do total dos que tiveram grandes perdas nos investimentos, 34% aguardaram para comunicar o(a) parceiro(a), enquanto 14% ainda não comunicaram sobre prejuízos financeiros.

De acordo com os dados da pesquisa, 33% dos casais não investem porque não conseguem poupar, enquanto 31% afirmam que poderiam investir, mas falta organização, 25% têm outras prioridades e 10% têm vontade, mas não sabem por onde começar.

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame