Exame Invest
Minhas Finanças

Ator levantou US$ 690 mi com pirâmide e acordo falso para Netflix

PUBLICADO EM: 7.4.21 | 10H18
Esquema Ponzi investigado pela SEC e pelo Departamento de Justiça envolve um ator que alegava ter contratos para revender filmes às gigantes de streaming

Resumo do investidor

Entenda o esquema desvendado: 1. Ator levantou recursos de investidores alegando contratos falsos com Netflix e HBO 2. Ele levantou 690 milhões de dólares, segundo a SEC, que fiscaliza o mercado nos EUA 3. À medida que captava novos recursos, usava parte para si e pagava os investidores iniciais

Hollywood

Letreiro famoso de Hollywood: ator mentiu sobre acordos com Netflix e HBO para montar esquema de pirâmide (Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A Securities and Exchange Commission (SEC), o equivalente à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) dos Estados Unidos, obteve um bloqueio de ativos contra um suposto esquema Ponzi -- conhecido também como pirâmide financeira -- de 690 milhões de dólares operado por um ator de Los Angeles, cidade de Hollywood.

Esse ator teria mentido sobre acordos para vender filmes para a Netflix e a HBO, duas gigantes do streaming e de estúdio.

Quer conquistar a sua liberdade financeira? Conheça o Guia EXAME Invest e veja como começar

Zachary Horwitz e sua empresa, a 1inMM Capital, alegavam levantar dinheiro para comprar filmes que ele pretendia revender, disse a SEC em comunicado na terça-feira, dia 6. Na realidade, o ator não tinha nenhuma relação comercial com a Netflix ou a HBO e usava contratos e e-mails falsos para enganar investidores, de acordo com a SEC.

O Departamento de Justiça dos EUA divulgou outro comunicado segundo o qual o FBI prendeu Horwitz na terça-feira.

Ele usa o nome artístico Zach Avery e foi criminalmente acusado de captar 227 milhões de dólares, que ainda não foram reembolsados, como parte de um esquema em que falsamente alegava adquirir direitos dos filmes que a Netflix e a HBO distribuiriam no exterior, de acordo com o comunicado.

Um advogado que representa Horwitz não respondeu de imediato a um e-mail com pedido de comentários.

Embora Horwitz tenha prometido retornos superiores a 35% aos investidores, na verdade durante anos usou o dinheiro levantado de novos clientes para pagar os anteriores, disse a SEC. Ou seja, um funcionamento típico de pirâmide.

Horwitz gastou os fundos em despesas pessoais, como a compra de uma casa, viagens para Las Vegas e a contratação de um designer de interiores famoso, de acordo com o órgão que regula e fiscaliza o mercado de capitais.

Um tribunal federal na Califórnia marcou uma audiência para 19 de abril com o objetivo de determinar se o bloqueio de ativos deve continuar a ser executado como litígio contra os recursos de Horwitz, disse a SEC.

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame