Exame Invest
Minhas Finanças

Corretora americana Passfolio chega ao Brasil com carteira de bitcoin

PUBLICADO EM: 7.12.20 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 7.12.20 | 12H15
Para poder divulgar no país o serviço de investimento no exterior, fintech acertou parceria com a corretora brasileira RB Investimentos
Aplicativo da Passfolio

Corretora Passfolio é mais uma opção para investir no exterior. Outro player mais conhecido é a Avenue Securities

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A corretora americana Passfolio fechou uma parceria com a corretora RB Investimentos, do grupo RB Capital, para divulgar seu serviço para investidores brasileiros interessados em comprar ações, ETFs (fundos de índice) e REITs (fundos imobiliários) nas bolsas dos Estados Unidos, além de criptomoedas.

A chegada indireta da Passfolio se insere em um movimento crescente de internacionalização da carteira de ativos por investidores de varejo, com valores mais baixos para aplicar em ativos.

A fintech Passfolio está presente em 170 países e seis continentes. É membro da FINRA e do SIPC, entidades americanas que , respectivamente, autorregulam e protegem ativos de clientes em até 500 mil dólares. Tem parceria com a corretora Drivewealth e parte do seu capital provém de investidores como o Camp One Ventures.

Aproveitar as melhores oportunidades na bolsa exige conhecimento. Venha aprender com quem conhece na EXAME Research

A empresa oferece investimentos sem taxas de corretagem, negociação de ações fracionárias e permite que clientes depositem criptomoedas na conta da corretora. Clientes também podem depositar moedas locais no aplicativo por meio de transferências via TED ou Pix.

O arranjo com a RB Investimentos é necessário para que a corretora possa se adequar à norma do órgão regulador do mercado financeiro brasileiro, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A parceria precisa ser feita com uma corretora ou distribuidora de títulos mobiliários (DTVM). Sem a parceria, a Passfolio ficaria impedida de divulgar seus serviços no país: poderia apenas oferecer serviços de forma passiva fora do país.

No final do ano passado, a CVM já havia suspendido ofertas das Passfolio no país, argumentando que não estava autorizada a captar clientes residentes no Brasil por não integrar o sistema de distribuição de títulos mobiliários nacional.

O arranjo é semelhante ao que fez a pioneira do segmento de corretoras que fazem a ponte do mercado americano com investidores brasileiros, a Avenue Securities. A Avenue comprou a corretora Coinvalores para ser autorizada a buscar clientes no país. Mais recentemente, a plataforma australiana Stake firmou acordo parecido com a corretora Ativa.

De acordo com a RB Investimentos, apesar do dólar valorizado (que significa baixo poder de compra para brasileiros), os juros baixos no Brasil têm incentivado investidores a buscar novas opções de diversificação de seus investimentos e, entre as opções, estão ativos no exterior. “Essa parceria estratégica reforça nosso objetivo de oferecer produtos e serviços diferenciados ao investidor brasileiro”, afirma Jorge Teixeira, diretor de parcerias da RB Investimentos.

Com um ano e meio de existência, a RB Investimentos tem 35 mil clientes e 2,5 bilhões de reais em carteira. Oferece aos clientes fundos, acesso ao Tesouro Direto, produtos de previdência privada, ações, derivativos e fundos imobiliários. Também tem fundos exclusivos estruturados.

O aplicativo da Passfolio está disponível na App Store e no Google Play. Para criar uma conta, o investidor precisa ter pelo menos 18 anos, possuir um documento de identificação válido (passaporte, CNH ou RG) e um comprovante de endereço em seu nome.

Futuro em aberto

O processo de análise do modelo de negócios de Avenue, Passfolio e Stake, que consiste em ter uma corretora ou uma plataforma sediada no exterior prospectando clientes no Brasil por meio de uma corretora nacional, ainda não foi encerrado na CVM.

A Superintendência de Relações com o Mercado e Intermediários (SMI) ouviu agentes sobre o assunto e o tema voltou ao colegiado no dia 3 de novembro, mas um diretor pediu vistas do processo.

Teixeira, da RB, está otimista que o regulador irá olhar o segmento com "bons olhos". Será preciso delimitar claramente os limites das parcerias em uma instrução. "Queremos ampliar a parceria no futuro. Mas, por enquanto, estamos apenas divulgando serviços da Passfolio de forma geral, sem entrar no detalhe de produtos específicos."

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame