Exame Invest
Minhas Finanças

Fundos imobiliários são bons para reserva de emergência? 

PUBLICADO EM: 7.2.21 | 8H10
ATUALIZAÇÃO: 7.2.21 | 15H28
O professor Arthur Vieira de Moraes, da EXAME Research, responde dúvidas dos leitores sobre fundos imobiliários

Reserva de emergência: não é para você ganhar dinheiro. É apenas para não perder

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O professor Arthur Vieira de Moraes, especialista em fundos imobiliários da EXAME Research (a divisão de análise de investimentos da EXAME), responde a perguntas de investidores em seu programa semanal. O FIIs em EXAME vai ao ar toda sexta-feira às 15h no canal da casa de análises no YouTube.

Veja abaixo uma das perguntas respondidas no último programa, que foi ao ar nesta sexta-feira, 5 de fevereiro. 

Pergunta do leitor: Considerando a baixa rentabilidade da Selic, as cotas de fundos imobiliários são boas para reservas de emergência? Observei que alguns papéis oscilam pouco em relação ao valor patrimonial e preço. Além de ter uma liquidez interessante. 

Caro leitor, a resposta é não. Os fundos de papéis comparados ao Tesouro Selic 2025, por exemplo, não são tão estáveis quanto parecem. Ao olhar os últimos 24 meses, tirando a grande volatilidade do ano passado, nota-se uma grande queda (no vídeo abaixo, o professor apresenta gráficos que mostram a oscilação no período. Assista). O Tesouro Selic é o fundo indicado para reserva de emergência. O lugar de reserva de emergência é na renda fixa pós-fixada, como Tesouro Selic e Fundos DI de taxa zero.

Aprenda a cuidar melhor de seu dinheiro, sem complicações. Conte com a assessoria especializada do BTG Pactual Digital

Se você não quiser se expor a isso, a minha orientação é que você invista em um CDB ou um RDB que tenha liquidez diária, que pague no mínimo 100% do CDI e seja de bancos médios ou grandes portes.

Em relação às desvantagens no Tesouro Selic ou em um fundo CDI para reserva de emergência, destaco que no Tesouro a liquidez é D+1, não é D+0, ou seja, você precisa do planejamento de ao menos um dia, e ele tem vencimento, o que leva a um resgate compulsório e ao pagamento do Imposto de Renda. O fundo DI de taxa zero ainda tem ainda o come-cotas, a cada seis meses, que funciona como uma antecipação da tributação. 

No caso de CDB ou RDB, eles têm desvantagens também, como vencimento e risco de liquidez em caso de necessidade de atuação do FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Em quantos dias o FGC irá devolver o dinheiro? Não dá para saber. Se o dinheiro é destinado para emergência, é importante liquidez diária para ter o dinheiro na mão quando precisar. Como tudo em investimentos tem vantagens e desvantagens, vale analisar e lembrar da regra da diversificação

De uma maneira resumida:

  • Tenha uma reserva de emergência condizente com a sua circunstância
  • Não se aflija com baixa rentabilidade. A reserva de emergência não está lá para você ganhar dinheiro. É apenas para não perder. Ela permite que você tome risco de investimento em outras oportunidades. 
  • Fundo imobiliário não pode ser usado como reserva de emergência

Envie também sua dúvida para o professor. O endereço para envio está aqui.

No curso "Construindo renda com fundos imobiliários" Arthur Vieira de Moraes ensina a investir em imóveis através de fundos imobiliários. O professor ajuda os alunos a entender como funcionam e por que é vantajoso investir em FIIs.

O conteúdo mostra como é possível diversificar a carteira, aumentar o patrimônio e renda de forma tão ou mais segura quanto um dos investimentos mais tradicionais do país. Ao final do curso, o aluno é capaz de investir em fundos imobiliários e tem o conhecimento necessário sobre os mecanismos de proteção ao investimento. Inscreva-se já

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame