Minhas Finanças

Milionário aos 24 anos: conheça a história do investidor Lucas Rufino

PUBLICADO EM: 21.5.21 | 6H58
ATUALIZAÇÃO: 21.5.21 | 10H07
Lucas Rufino, do canal 1 milhão com 30, compartilha nas redes sociais dicas sobre investimento e empreendedorismo
Lucas Rufino

Lucas Rufino: "quando meu pai morreu, eu coloquei a meta de ter 1 milhão de reais para ajudar minha família" | Foto: Divulgação

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

Ter um milhão de reais antes dos 30 anos. Esta era a meta pessoal de Lucas Rufino (25), criador do canal 1 milhão com 30. O jovem chegou ao seu primeiro milhão de reais seis anos antes do previsto. O objetivo financeiro foi alcançado por meio do empreendedorismo e de investimentos. 

O interesse pelo mercado financeiro surgiu quando Rufino cursava engenharia civil na Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais. Os primeiros investimentos foram feitos aos 18 anos com o dinheiro da bolsa do programa de iniciação científica da universidade. 

“Eu investia uma quantia de dinheiro pequena, mas ganhei experiência. Depois de estudar muito sobre o assunto, queria saber como funcionava o mercado na prática. Comecei comprando ações com foco no longo prazo”, disse em entrevista à EXAME Invest

De família de classe média, Rufino tinha seu custo de vida bancado pelo pais. Entretanto, a situação de vida mudou quando seu pai faleceu. Aos 20 anos, ele se sentiu na obrigação de cuidar da mãe e dos irmãos que eram menores de idade. “Meu pai era o provedor da família.Quando ele morreu eu não sabia o que fazer. A minha mãe ganhava um salário mínimo. Eu precisava de uma renda fixa para manter a minha família”.

O jovem então mudou-se para a cidade de Juiz de Fora (MG), trabalhou como motorista de aplicativo e também organizador de excursões e promoter de festas. Até que surgiu uma oportunidade para comprar uma loja de milk shake na cidade de Ubá, onde Rufino nasceu. O negócio foi comprado parcelado e a estratégia era pagar a dívida com o dinheiro do faturamento. “O negócio estava quebrado. Tive que focar 100% na loja para que voltasse a vender. Na área financeira eu tinha conhecimento, mas tive que estudar sobre gestão e marketing.” 

Quando a loja começou a dar lucro, a mãe de Rufino saiu do emprego e assumiu o negócio. “Neste momento, a renda da nossa família já tinha aumentado. Eu consegui continuar os meus investimentos e fazer crescer o meu patrimônio.” Por alguns anos, a renda principal de Rufino foi esta loja. 

Com a experiência em investimentos e empreendedorismo, o jovem decidiu criar uma conta no instagram para dividir seus conhecimentos. Foi assim que surgiu o 1 milhão com 30. “O nome veio da minha meta. Ela surgiu quando meu pai morreu. Na minha cabeça, só passava que eu precisava de dinheiro. Eu acreditava que se naquela época eu tivesse 1 milhão de reais, a minha vida estaria resolvida.” 

Apesar da timidez, ele passou a gravar vídeos e produzir textos sobre o assunto pelas redes sociais. “Em pouco tempo, as pessoas da minha cidade e da universidade começaram a pedir que eu desse palestras e cursos, mas eu não tinha experiência em ensinar.” 

No ano seguinte, em 2019, ele montou um curso de investimentos online e percebeu que também poderia ser uma fonte de renda para ele. “Era o que eu realmente gostava e conseguia ajudar outras pessoas como eu consegui com a minha família.” Cerca de 80 mil pessoas já fizeram algum curso, considerando os gratuitos e os pagos. 

Atualmente, Rufino tem cerca de 300 mil seguidores no Instagram, Tik Tok e Youtube. Além da empresa 1 milhão com 30, ele tem um clube de análises, o Simpla Club. Nas empresas, ele emprega cerca de 20 pessoas, entre analistas, designers e videomakers, entre outros.

Lado investidor 

O primeiro milhão de reais que Rufino alcançou é oriundo tanto da loja de milk shake e da empresa 1 milhão com 30. Entretanto, ele ressalta que foi fundamental ter virado investidor aos 18 anos. “Começar a investir é muito mais do que acumular dinheiro. É uma mudança de objetivo. É entender que tudo que você ganha deve ser guardado uma parte para o seu futuro. Quanto mais investe, mais renda ganha." 

Rufino acrescenta que o investimento deve ser focado no longo prazo e que não é possível enriquecer rapidamente. “ No longo prazo, os investimentos geram uma renda passiva sem a pessoa precise trabalhar. Mas no curto prazo, o que funciona é o trabalho e o empreendedorismo. Deixo isso muito claro aos meus alunos e seguidores.”

Sobre o lado investidor, Rufino afirma que busca ter uma visão de sócio de longo prazo das empresas em que investe. Ele escolhe os papéis por análise fundamentalista e foca em setores fundamentais. Além de ações, ele investe em fundos imobiliários, ETFs, ouro e criptomoedas. A minha carteira é dividida em 35% em renda fixa, 5% em ouro e cripto e o restante em renda variável.

“Não tenho mais meta pessoal depois que alcancei 1 milhão de reais. Agora, penso em metas para minha empresa. Quero que o faturamento neste ano chegue a 4 milhões de reais.”

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame