Exame Invest
Minhas Finanças

Testes de covid-19 poderão ser deduzidos do Imposto de Renda; saiba como

PUBLICADO EM: 30.4.21 | 21H31
ATUALIZAÇÃO: 30.4.21 | 20H51
Os testes têm de ter sido solicitados por médicos e realizados em laboratórios. Os feitos ou adquiridos em farmácias não são dedutíveis como despesas médicas
Início dos testes de COVID-19 em escolas estaduais O Governador João Doria acompanhou nesta quinta-feira (15), com os secretários Rossieli Soares (Educação) e Jean Gorinchteyn (Saúde), o início da testagem para COVID-19 entre alunos e servidores da rede estadual na Escola Estadual Reverendo Almir Pereira Bahia, em Taboão da Serra. Local: São Paulo/SP Data:15/10/2020 Foto: Governo do Estado de São Paulo

Imagem da Editoria Exame Invest
Agência Brasil



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Os testes de detecção da covid-19 poderão ser deduzidos no Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) como despesa médica. No entanto, segundo a Receita Federal (RF), os testes têm de ter sido solicitados por médicos e realizados em laboratórios. Os testes feitos ou adquiridos em farmácias não são dedutíveis.

De acordo com a RF, as despesas médicas dedutíveis restringem-se aos pagamentos efetuados pelo contribuinte para o seu próprio tratamento ou o de seus dependentes relacionados na declaração do imposto de renda.

“Consideram-se despesas médicas ou de hospitalização os pagamentos efetuados a médicos de qualquer especialidade, dentistas, psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, hospitais, e as despesas provenientes de exames laboratoriais, serviços radiológicos, aparelhos ortopédicos e próteses ortopédicas e dentárias”, destaca o tira dúvidas da Receita Federal.

No entanto, para deduzir as despesas médicas no imposto de renda é necessário que os pagamentos sejam especificados, informados na ficha Pagamentos Efetuados da declaração, e comprovados com documentos originais que indiquem, no mínimo, nome, endereço e número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) de quem prestou o serviço.

Também é exigida a identificação do responsável pelo pagamento, do beneficiário, data, e assinatura do prestador de serviço, caso não seja documento fiscal. A RF aceita que, na falta de documentação, a comprovação possa ser feita com a indicação do cheque nominativo com o qual foi efetuado o pagamento ao prestador de serviço.

A Receita Federal liberou ontem (29) ,em sua página na internet, uma nova versão do programa gerador da declaração de 2021. A atualização foi necessária por causa do adiamento da entrega da declaração para 31 de maio. O programa emitirá guias do Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf) com novas datas de vencimento.

Imagem da Editoria Exame Invest
Agência Brasil


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame