Exame Invest
Minhas Finanças

7 dicas para se frustrar menos por falta de dinheiro

PUBLICADO EM: 28.10.16 | 5H00
Com essas dicas de estratégias emocionais e práticas de controle financeiro, você pode ficar satisfeito mais facilmente
Desespero sem dinheiro

(Getty Images/iStockphoto)

Imagem da Editoria Exame Invest
Júlia Lewgoy



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo - Qual o motivo mais frequente de frustração na sua vida? Se for falta de dinheiro, as dicas a seguir vão ajudar você a enfrentar essa sensação. O jeito é criar estratégias emocionais e práticas de controle para cuidar melhor do seu dinheiro, e assim se sentir satisfeito mais facilmente.

1. Tolere um nível mínimo de frustração

Não, o título desta matéria não está enganando você. Pode parecer um paradoxo, mas o primeiro passo para se frustrar menos é aprender a tolerar essa sensação. Quando você não desenvolve essa capacidade emocional, tende a fingir que a frustração não existe e consome mais do que pode.

“A vida é mais frustração do que gratificação. É preciso perceber que você não consegue evitá-la e que sobrevive a ela”, explica a consultora em psicologia econômica e educação financeira Vera Rita de Mello Ferreira, professora da Fipecafi e integrante do Núcleo de Estudos Comportamentais da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Depois de tolerar a frustração, você terá capacidade de reinventar seus hábitos, ao levar marmita para o trabalho e andar de transporte público, por exemplo. Assim, descobrirá novas fontes de prazer, gastando menos.

2. Engaje mais pessoas no projeto

Ok, você já aceitou que não pode ter tudo o que deseja. Então engaje outras pessoas da sua casa no projeto de ter mais controle sobre sua vida financeira e se frustrar menos.

Fica mais fácil não desanimar se todos apertarem juntos o cinto, e você não se sente sobrecarregado.

3. Tenha uma reserva financeira

Ter um controle exagerado sobre os seus gastos e não se permitir gastar com algum prazer de vez em quando gera frustração e até reduz sua capacidade cognitiva, segundo a especialista em psicologia econômica Vera Rita de Mello Ferreira. Quando a sua única preocupação é dinheiro, sua memória fica sobrecarregada e você tem dificuldades para tomar as decisões mais sábias.

Por isso, é essencial viver com uma folga financeira. Vera recomenda fazer duas reservas: uma para emergências do dia a dia, como o carro que estraga, e outra de longo prazo, para realizar sonhos.

4. Conheça a si mesmo

As suas escolhas financeiras são sistemáticas e menos conscientes do que você gostaria. Você costuma seguir um padrão de escolhas, sejam boas ou ruins, como explica a professora Flávia Ávila, coordenadora do MBA em economia comportamental da ESPM e fundadora da consultoria InBehavior Lab.

Assim, quando você desvenda que padrões são esses, consegue controlá-los melhor. Se você percebe que tem o hábito de consumir mais quando está triste, por exemplo, pode evitar de sair às compras quando reconhecer esses momentos.

“Quanto mais você se conhece e identifica tendências de comportamento, maior é o controle financeiro. É uma questão de treino”, explica Flávia.

5. Planeje seu consumo

Muitos produtos podem ser substituídos por outros, de marcas ou lojas diferentes. Basta um pouco de paciência para pesquisar e comparar preços, e de repente nem será necessário cortar tantos gastos assim.

Planejar o consumo também envolve não empurrar o pagamento dos gastos para depois, ao postergar o pagamento das parcelas do cartão de crédito, por exemplo. “Quanto mais você trouxer seus pagamentos para o presente, melhor”, orienta a especialista em economia comportamental Flávia Ávila.

O planejamento também inclui organizar os pagamentos das contas. Para evitar atrasos, agrupe os pagamentos em uma data após o recebimento do salário, como sugere a planejadora financeira Viviane Ferreira.

6. Alie controle financeiro a uma recompensa

Condicionar o controle financeiro à realização de um sonho é uma ótima estratégia para não se frustrar por não poder gastar muito dinheiro. Estabeleça objetivos para economizar, como a realização de uma viagem nas férias, por exemplo.

7. Baixe aplicativos para organizar o orçamento

Saber exatamente qual a sua receita mensal e quanto você gasta pode ser libertador. Ao fazer um diagnóstico claro de quais gastos é possível cortar ou reduzir, e manter esse controle todo mês, você evita a frustração e percebe que pode ter o que deseja, se apertar um pouquinho aqui e ali.

“Cadastre seus gastos diariamente no aplicativo. Se você deixa para fazer isso uma vez por semana, a frustração é maior”, ensina a planejadora financeira Viviane Ferreira.

Você pode estabelecer metas de gastos por categoria. Por exemplo, um valor fixo para gastar com almoço durante a semana e outro valor fixo para gastar com lazer no final de semana. Veja 20 planilhas de gastos para organizar seu orçamento.

 

Imagem da Editoria Exame Invest
Júlia Lewgoy


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame