Minhas Finanças

Apenas 17,6% dos consumidores conseguem acordo com empresas de turismo

PUBLICADO EM: 11.8.20 | 18H46
Segundo Procon, 45,7% ainda estão negociando o cancelamento ou adiamento de passagens e pacotes na pandemia
Atendente na Fundação Procon de SP

Entre os consumidores que tiveram serviço de turismo adiado pela pandemia, 36,6% não fizeram acordo com a empresa

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Apenas 17,6% de um total de 824 pessoas que tiveram um serviço cancelado ou adiado com empresas do setor de turismo na pandemia, como passagens áreas, estadia em hotéis e pacotes turísticos, conseguiram fechar um acordo com o fornecedor sem ter de recorrer ao Procon-SP.

Já 45,7% ainda estão negociando e 36,6% não fizeram acordo, segundo pesquisa realizada pelo órgão entre os dias 14 e 31 de julho.

A pesquisa constatou que entre os que fizeram um acordo, 46,9% cancelaram o contrato com devolução integral ou parcial dos valores pagos. Os demais consumidores (53,1%) fizeram acordo sem rescindir o contrato, por meio de remarcação com ou sem pagamento de taxas, disponibilização do crédito para usufruir em outra data ou em outros serviços da empresa.

Do primeiro grupo somente 22% tiveram a devolução integral e imediata dos valores pagos, o que não seria obrigatório. Outros 13,7% também obtiveram um acordo para a devolução integral dos valores pagos, mas terão que aguardar o fim da pandemia.

O destaque são 8,78% que afirmaram que obtiveram a devolução imediata, mas parcial, o que indica a cobrança de alguma taxa ou multa de rescisão, o mesmo ocorre para 2,7% que além de ter a devolução parcial, somente ocorrerá após a pandemia.

No segundo grupo, as remarcações ocorreram dentro do previsto, porém, vale ressaltar que quando questionados sobre sua satisfação com o acordo obtido, 9,66% dos consumidores o consideraram injusto porque tiveram que pagar um adicional para usufruir do mesmo serviço em outra data.

Ainda sobre a satisfação dos consumidores com os acordos, 50,3% consideraram os acordos justos, seja porque não tiveram que pagar por serviços que não utilizaram, seja por entenderem que os prejuízos foram divididos entre as partes.

Porém, 40% consideraram injusto porque fizeram um acordo, mas queriam mesmo era a devolução do que foi pago.

Sobre os motivos do acordo não ter sido realizado, 27,1% dos consumidores responderam não ter conseguido contato com a empresa; 38,7% alegaram que o fornecedor não quis fazer acordo e, 34,11% não concordaram com o que foi proposto pelo fornecedor.

Dos consumidores que não conseguiram um acordo, a maioria buscou uma solução junto a um órgão de defesa do consumidor. Porém, 40,4% afirmaram que não tomaram qualquer atitude, abrindo mão de seus direitos.

Quais são os seus direitos

Editada no dia 8 de abril em razão dos cancelamentos de serviços de reservas de eventos dos setores de turismo e cultura, a MP 948 dispõe que os prestadores de serviço não são obrigados a reembolsar os valores pagos pelo consumidor.

Contudo, devem assegurar a remarcação dos serviços, sem custo adicional, taxa ou multa ou, alternativamente, a disponibilização de crédito para uso ou abatimento na compra de outros serviços e reservas disponíveis na empresa, ou ainda outro acordo com o consumidor.

Somente se não houver acordo algum a MP prevê que o fornecedor deverá restituir os valores recebidos, atualizados monetariamente pela inflação, no prazo de 12 meses, contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame