Exame Invest
Minhas Finanças

Como fazer da compra do imóvel um ótimo negócio

PUBLICADO EM: 17.11.11 | 14H41
Comprador deve pensar no imóvel como retaguarda financeira, ensina a avaliadora Consul Patrimonial
Ilustração de pessoa pensando em dinheiro e imóveis

Avaliar bem, para depois comprar, sugere especialista

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo - Antes de adquirir um imóvel, o comprador deve pensar para além do sonho de ter a casa própria. O futuro do bem adquirido pode ter diferentes desenhos, como ser utilizado na garantia do empréstimo para reformá-lo; ou ser vendido, para a compra de outro.

Quem compra imóvel para morar, fará o melhor negócio espelhando-se nas atitudes de quem adquire propriedades para investir. Estes avaliam a oportunidade de compra sob vários aspectos de mercado, a exemplo de localização, infraestrutura urbana, facilidades de locomoção, fatores que pesam na valorização do imóvel.

A valorização é importante para o investidor, tanto quanto o é a quem compra para morar. O mesmo raciocínio vale para o imóvel comercial ou industrial – que, eventualmente, poderá garantir crédito para ampliações.

Com a experiência de quem avalia imóveis em todas as cidades brasileiras com mais de 100 mil habitantes, e conta entre seus clientes os maiores bancos do país, a Consul Patrimonial aborda a questão da valorização imobiliária reforçando que o bom negócio imobiliário deve atender a razão, além do sonho.

“Tanto o comprador que pretende realizar o sonho da casa própria, quanto a empresa que precisa de crédito para crescer precisam avaliar o imóvel que darão em garantia para aumentar as chances de aprovação e o tempo de liberação dos recursos”, pondera Vinicius de Oliveira Neto, diretor executivo da Consul Patrimonial.

“Quanto maior a liquidez, maior a garantia do banco de que o imóvel será vendido rapidamente, caso haja inadimplência. Por isso, uma pessoa física que deseja adquirir um bem, ou um empresário que precisa captar recursos, deve escolher corretamente o imóvel garantidor, antes de chegar ao banco”, explica o executivo.


Marcus Vinicius diz que, em muitas instituições financeiras, o valor do bem precisa ser entre 1,3 a duas vezes o valor do empréstimo solicitado. Porém, não é o proprietário quem diz quanto vale o imóvel, mas sim, um laudo técnico de avaliação imobiliária realizado por empresa credenciada junto ao banco. Os imóveis podem ser casas, apartamentos, terrenos, fazendas, galpões ou unidades comerciais.

O mercado imobiliário

O volume de crédito no sistema financeiro brasileiro, que em junho de 2010 totalizou R$ 1,53 trilhão e representou uma relação crédito/PIB de 44,6%, passou a R$ 1,83 trilhão em junho de 2011. No financiamento à pessoa física, destaca-se o crédito direcionado, com aumento de 33,8% em 12 meses, relacionado, principalmente, ao financiamento imobiliário.

De acordo com a Consul, o crédito imobiliário no Brasil representa hoje aproximadamente 4% do PIB brasileiro, diferente dos Estados Unidos e Inglaterra, onde esta modalidade atinge 70%. A empresa acredita que este número aumentará bastante até 2015.

“Avaliando o atual crescimento, cenário interno favorável e a demanda esperamos que as previsões do governo, da Caixa Econômica e dos demais bancos superem a premissa de que em 2015 o Brasil poderá estar com uma relação Crédito Imobiliário/PIB de 10%", estima o diretor da Consul Patrimonial, Marcus Vinicius de Oliveira Neto.

Para o executivo, “o grande trunfo da concessão de crédito chama-se imóvel, a garantia de que a instituição financeira não receberá um calote”. Portanto, antes de comprar, é de bom tamanho chegar a um imóvel que faça bonito num mercado que não está para brincadeiras.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame