Exame Invest
Minhas Finanças

Confuso com o imposto de renda? Veja o que o Leão quer saber

PUBLICADO EM: 21.3.14 | 16H39
Veja os cinco pontos mais importantes para se compreender a dinâmica da cobrança e da declaração de imposto de renda
Leão

Leão: Na Declaração apenas ocorre o ajuste de contas com o governo, boa parte do imposto já foi paga ao longo do ano

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 6MIN

São Paulo – Se você acha complicado entender o imposto de renda, não se aflija, um dos maiores gênios que o mundo já conheceu também achava. “A coisa mais difícil de entender no mundo é o imposto de renda”. A frase é atribuída a Albert Einstein que, segundo o site Quote Investigator, fez o comentário a seu amigo, Leo Mattersdorf, que o ajudava a prestar suas contas ao governo.

Segundo o site, Mattersdorf respondeu dizendo que existia algo mais difícil, a Teoria da Relatividade, mas Einstein rebateu: “Não, isso é fácil”.

Ainda que a incompreensão de Einstein possa estar relacionada a questões mais profundas sobre os impostos, fato é que você não está sozinho se tem alguma dificuldade para entender o que fazer na hora de ajustar suas contas com o Leão.

Para facilitar um pouco a compreensão sobre a dinâmica do imposto de renda, que aparentemente gera dúvidas até para as pessoas mais geniais, EXAME.com conversou com duas especialistas na área.

Confira a seguir a lógica por trás do sistema de tributação e entenda de uma vez por todas o que a Receita Federal quer saber de você na sua declaração de imposto de renda.

1 A Declaração não existe apenas para que o imposto seja pago, mas sim para que você ajuste as contas com o governo

Ainda que imposto de renda pareça um assunto sazonal, com data marcada entre os meses de março e abril, o imposto é pago ao longo do ano. Na Declaração de Ajuste Anual apenas são feitos os ajustes sobre o que foi pago a mais ou a menos no ano anterior.

“Na declaração, o contribuinte reporta o que aconteceu ao longo do ano anterior e o programa calcula quanto efetivamente ele deve de imposto para depois comparar com o que ele já pagou ao longo do ano. Comparado o imposto devido com o que já foi retido, é feito um ajuste que pode gerar restituição ou imposto a pagar”, explica Eliana Lopes, coordenadora de IR de Pessoa Física da H&R Block no Brasil.

Conforme Eliana explica, nosso sistema de tributação segue o regime de caixa: o imposto é pago conforme é recebido o rendimento, não apenas em março e abril, portanto.

Os salários, por exemplo, já são recebidos com o desconto do imposto, e o imposto sobre a renda obtida com aluguel deve ser pago até o último dia útil do mês seguinte ao do recebimento.

É por isso que os proprietários de imóveis alugados a pessoas físicas devem baixar o programa Carnê-Leão, da Receita, que calcula o imposto devido automaticamente e gera o Documento de Arrecadação das Receitas Federais (DARF) para seu recolhimento.

2 O desconto do imposto pode acontecer de diferentes formas e não ocorre só no período da Declaração

Existem três tipos de rendimentos: os rendimentos que são isentos e não sofrem descontos; os rendimentos de tributação exclusiva na fonte e os rendimentos tributáveis.

Os rendimentos de tributação exclusiva têm o imposto retido no pagamento, pelo próprio pagador, como o 13º salário, ou pelo próprio contribuinte, como ocorre no caso do desconto sobre o lucro imobiliário. Nesse caso, o imposto é definitivo e a declaração não gera restituição sobre o rendimento. “É o que a gente chama de 'pagou, morreu'”, comenta Eliana Lopes.

Já os rendimentos tributáveis são passíveis de ajuste na Declaração e podem gerar imposto a restituir.

Como os impostos são retidos ao longo do ano, o imposto pago no momento da Declaração só ocorre se o programa calcular que as alíquotas de imposto aplicadas foram inferiores ao que o contribuinte devia de acordo com a sua renda.

Alguém que tenha recebido 100 mil reais de uma fonte e 36 mil reais de outra em 2013, por exemplo, sofreu o desconto na fonte de 27,5% no primeiro caso e de 15% no segundo. Apesar de as fontes serem diferentes, o contribuinte recebeu 136 mil reais no total, renda que se encaixa na faixa de tributação mais alta, de 27,5%. Afinal, o que importa é soma dos rendimentos tributáveis.

Nesse caso, ainda resta um pouco de imposto a pagar sobre os 36 mil reais.


3 A Receita não quer saber apenas quanto você ganha, mas também seu patrimônio

Se o imposto incide sobre a renda e não sobre os bens, por que é preciso declarar a posse de imóveis, ações, etc.? Porque ao declarar seus bens a Receita consegue verificar se algum rendimento foi ocultado.

“A pessoa informa que comprou uma casa e um carro e declara que ganhou 2 mil reais por mês. Da onde surgiu esse dinheiro? Nesse retrato o governo consegue pegar fraudes”, explica Tatiane Cataldo, consultora de Imposto de Renda da COAD.

Em outras palavras, ao observar a evolução patrimonial do contribuinte de um ano para outro, a Receita consegue verificar se algum rendimento escapou da mordida do Leão

4 Os rendimentos são mais importantes do que os gastos

Alguns contribuintes podem se perguntar por que não é preciso declarar gastos corriqueiros. Se você leu os itens anteriores, talvez já saiba a resposta. A Receita aplica o imposto sobre a renda, não sobre os gastos, por isso o que mais interessa para ela são os rendimentos obtidos.

Por esse motivo, despesas rotineiras, como as mensalidades de uma academia, por exemplo, não são o foco da declaração. Os gastos apenas entram quando são dedutíveis ou quando são mais vultuosos, porque assim a Receita consegue aferir se houve ocultação de renda.

Tanto isso ocorre que, quem se encaixa nas regras de obrigatoriedade de entrega do imposto, apenas deve declarar bens acima de 5 mil reais e se o contribuinte é isento, ele só precisa passar a declarar se tiver bens acima de 300 mil reais.

Os gastos dedutíveis, que são as despesas pagas durante o ano que podem ser abatidas da base de cálculo do imposto de renda, também são importantes justamente para que a Receita abata parte ou a totalidade dos impostos pagos sobre essas despesas.

5 A Receita não quer que você atualize o valor dos bens porque ela ganha com isso

Outra dúvida muito recorrente diz respeito à atualização do valor dos bens declarados a valor de mercado. Mas apesar da confusão, não é muito difícil errar: bens como imóveis, carros, jóias, etc. devem ser declarados sempre pelo seu custo de aquisição.

A lógica nesse caso é explicada pelo imposto sobre o ganho de capital, tributado à alíquota de 15%. Para apurar o ganho de capital, que é o lucro obtido na venda do bem, é calculada a diferença entre o preço de venda e o preço de compra do bem.

Uma vez que, quanto maior a diferença entre o preço de compra e o de venda, mais imposto é arrecadado, é interessante para a Receita manter o custo de aquisição e não ocorrer nenhum tipo de atualização desse valor.

"Os bens duplicam de valor, mas não podem ser atualizados para que o imposto seja maior. Se por um lado a Receita é muito eficiente na cobrança, ela tem uma defasagem grande em relação ao que é de interesse do contribuinte: as faixas de renda da tabela de alíquotas de IR estão defasadas, as deduções são baixas, e existe uma gama muito grande de despesas que não se pode restituir", comenta Eliana Lopes. 

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame