Tesouro Selic fica negativo. O que fazer com a reserva de emergência? | Exame Invest
Exame Invest
Invest Pro

Tesouro Selic fica negativo. O que fazer com a reserva de emergência?

PUBLICADO EM: 28.9.20 | 16H51
ATUALIZAÇÃO: 7.10.20 | 17H25
Qual vale mais a pena: poupança, títulos do Tesouro Direto, fundos DI ou contas que pagam 100% do CDI? Entenda
poupança

Movimento, apesar de assustar, é comum: só ficou mais óbvio com os juros na mínima histórica

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

Com os juros a 2% ao ano, quem tem ou deseja montar uma reserva de emergência vem enfrentando um desafio: aplicações tradicionalmente recomendadas, como títulos do Tesouro Selic e fundos DI, vêm registrando retornos cada vez menores, e até negativos. Enquanto o Tesouro Selic registra queda de 0,32% nos últimos 30 dias até esta segunda-feira, 28, cotas dos fundos de renda fixarenda fixa indexados estão rodando abaixo do CDI no acumulado do mês. O que fazer?

A volatilidade do Tesouro Selic e seu retorno negativo não são incomuns: apenas ganham mais destaque em um momento de juros muito baixos e de maior necessidade de financiamento do governo. É o que afirmam Renato Mimica e Juliana Machado, analistas da EXAME Research, em relatório. O movimento acontece porque os títulos sofrem a marcação a mercado, que é a atualização periódica do preço do ativo. Por essa razão, o desempenho não deve espantar os investidores.

Mas isso significa que se você comprar os títulos neste momento terá prejuízo? Só se vendê-los antes do vencimento. Para quem carregar o título até a data de vencimento, a rentabilidade será a da Selic mais um valor adicional. Para quem ainda assim quiser ou precisar vender agora, é preciso ter em mente que outros investidores atualmente só estão aceitando comprar o título por um prêmio maior -- e isso significa um valor de face mais baixo. O mesmo acontece com os fundos DI, que registram desvalorização de suas cotas.

Isso acontece porque a crise econômica aumentou diante das recentes sinalizações do governo de que o reequilíbrio fiscal já não é mais uma prioridade absoluta. Como consequência, o Tesouro emite mais títulos no mercado em um cenário de maior risco. Resultado: os investidores passam a exigir um maior retorno no título ou cota para compensar esse risco.

Títulos com prazo menor sofrem menos com a desvalorização nesse cenário. Isso porque, em horizontes mais curtos, é mais fácil prever o que irá acontecer. Em fundos, o desempenho fica mais difícil de prever: vai depender do que carregam na carteira e eventuais ajustes.

E aí? Onde investir agora?

Nesse cenário, o que vale mais a pena para fazer frente a gastos imprevistos? O Tesouro Selic, fundos DI, a poupança ou contas de bancos digitais que pagam 100% do CDI?

É importante ressaltar que todas as alternativas, com exceção da poupança, sofrem o efeito da marcação a mercado. Apesar de prometerem 100% do CDI, as contas de bancos como podem comprar Tesouro Selic com o dinheiro aplicado. Ou seja, também podem ser expostas aos altos e baixos do mercado.

Portanto, o indicado é que o cliente verifique as regras do banco digital para saber onde o dinheiro está aplicado. Algumas podem aplicar o dinheiro em CDBs ou RDBs, que são títulos com maior risco. Como consequência, a rentabilidade será maior. Vai depender, portanto, do risco que o investidor quer tomar. Caso a conta invista em Tesouro Selic, não há grandes diferenças do que aplicar no título diretamente.

E a poupança? Continua sendo desaconselhável para montar a reserva de emergência porque continua a render, no cenário atual, apenas 70% da taxa Selic. Além disso, seu risco é maior do que o risco soberano dos títulos públicos. A poupança tem o risco de crédito da instituição financeira onde está aplicada, ainda que seja coberta pelo FGC, assim como CDBs. Por fim, falta liquidez na aplicação para que ela seja indicada para a reserva de emergência: seu rendimento é estável apenas no aniversário do investimento. Fora dele, a rentabilidade é comprometida.

Portanto, os analistas seguem recomendando fundos DI que tenham taxa zero de administração como escolha para a reserva de emergência, caso os valores aplicados ultrapassem 10.000 reais. Se o montante for menor, tanto investir em um fundo com taxa zero quanto aplicar diretamente no Tesouro Selic são as melhores alternativas para montar ou reforçar a reserva de emergência. Isso porque, abaixo de 10.000 reais, as taxas de custódia para quem aplica no Tesouro Selic foram zeradas desde o início de agosto.

Mesmo sendo aconselhável, o investidor deve entender que, caso precise do dinheiro no atual cenário, diante de um imprevisto, pode ter prejuízo ao resgatá-lo, diz Juliana Machado, especialista em fundos da EXAME Research. "Quem começou a dar os primeiros passos na hora de investir deve aproveitar essa volatilidade para aprender algo importante no mundo financeiro: não há como neutralizar todo o risco."

A recomendação de Machado é que, mais do que tentar fugir de todos eles, o investidor entenda quais são os riscos adequados e quais são desproporcionais ou inadequados no momento.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame