Minhas Finanças

Não consigo resgatar o investimento e preciso do dinheiro. O que faço?

PUBLICADO EM: 24.11.19 | 7H00
ATUALIZAÇÃO: 24.11.19 | 8H00
Especialista responde dúvida de leitor sobre investimentos. Envie você também a sua pergunta
Cursos de investimentos

Porquinho: investidor não contava com um tempo de recolocação maior no mercado (Getty Images/iStockphoto)

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

“Eu e minha esposa estamos desempregados e temos uma aplicação em LCI com carência de 180 dias. Nós tínhamos certeza que iríamos nos recolocar no mercado antes de ter de resgatar este dinheiro, mas não foi isso que aconteceu. O dinheiro que temos dará para mais um mês e fomos informados pela corretora que não é possível resgatá-lo antes, nem de forma parcial. O que devo fazer?"

Resposta de Theo Linero, CFP®:

Considerando que a corretora já informou sobre a impossibilidade de resgate antecipado, sugiro quatro caminhos possíveis:

(1) avaliar a possibilidade de venda do título no mercado secundário, ou seja, vocês irão repassar o título à outra pessoa nas condições que vocês o adquiriram e, por isso, receberão um valor em troca – as negociações poderão ser feitas pela corretora na qual adquiriram o papel. É importante destacar que esse ainda é um mercado não muito desenvolvido no Brasil e, por isso, vocês poderão encontrar alguma dificuldade na venda deste título;

(2) buscar fontes de renda alternativas que os ajudem a pagar as contas nos próximos meses enquanto não conseguem resgatar o investimento e, neste caso, a proposta é pensar naquilo que pode trazer dinheiro agora, como, por exemplo, a venda de doces, bolos, marmitas, coisas que não usam mais, trabalhar em aplicativos de corrida ou entrega e dar aulas;

(3) readequar o estilo de vida da família; e

(4) opção menos indicada: avaliar a contratação de empréstimo pessoal para as contas que não podem ser adiadas (ex. aluguel) ou que possuem taxas de juros mais altas, como cartão de crédito e cheque especial.

Independente da escolha, é importante que vocês iniciem um controle financeiro familiar que contemple o início de uma reserva de emergência, dinheiro que deve ficar em um investimento de alta liquidez (disponível para resgate a qualquer momento) para evitar situações como a que vocês estão passando. Recomenda-se, ainda, que o valor seja suficiente para cobrir de 6 a 12 meses das despesas médias do casal.

*Theo Linero é planejador financeiro pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar - Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. Email: theolinero@gmail.com

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do site Exame ou da Planejar. O site e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Envie suas dúvidas sobre investimentos para seudinheiro_exame@abril.com.br.

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame