Exame Invest
Minhas Finanças

Resgates no Tesouro Direto superam investimentos pelo oitavo mês

PUBLICADO EM: 24.4.18 | 12H04
Investidores podem receber o resultado das aplicações na data do vencimento do título ou quando resgatam antes de vencer
As empresas que perderam valor de mercado

Resgates de títulos do Tesouro Direto superaram as vendas pelo oitavo mês seguido (Getty Images/Hemera)

Imagem da Editoria Exame Invest
Agência Brasil



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Os resgates de títulos do Tesouro Direto superaram as vendas pelo oitavo mês seguido. Segundo dados do Tesouro Nacional, divulgados hoje (24), em Brasília, o resultado negativo ficou em R$ R$ 99,77 milhões em março.

No mesmo mês de 2017, houve mais vendas do que resgates, com resultado positivo de R$ 265,18 milhões.

Os investidores podem receber o resultado das aplicações na data do vencimento do título ou quando resgatam antes de vencer. Em março, todos os resgates foram feitos antes do vencimento, somando R$ 1,225 bilhão.

Já os investimentos no Tesouro Direto ficaram em R$ 1,125 bilhão, com 179.700 operações.

O estoque fechou em R$ 47,582 bilhões, um crescimento de 0,57% com relação ao mês anterior (R$ 47,3 bilhões) e de 9,1% comparado a março de 2017 (R$ 43,5 bilhões).

Em março, o número de investidores cadastrados no Tesouro Direto cresceu em 65,2 mil, atingindo o recorde de mais de 2,050 milhões, o que corresponde a um crescimento de 55,1% em relação a março de 2017. O total de investidores ativos também foi o maior já registrado: 591.034.

Títulos mais procurados

Em março, o título mais demandado pelos investidores foi o Tesouro Selic, com R$ 485,52 milhões, representando 43,1% das vendas.

Em seguida, as vendas de títulos indexados à inflação (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais) somaram R$ 410,3 milhões e corresponderam a 36,4% do total, enquanto as de prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais) totalizaram R$ 229,36 milhões ou 20,38%.

Nos resgates, predominaram os títulos indexados a índices de preços, totalizando R$ 597,7 milhões (48,7%), seguidos por R$ 480,36 milhões (39,21%) em Tesouro Selic e R$ 146,64 milhões (11,97%) em prefixados.

Quanto ao prazo, 49,9% dos investimentos realizados no mês foram de títulos com vencimento entre 1 e 5 anos. Os investimentos em papéis com prazo entre 5 e 10 anos responderam por 25,6% do total, enquanto que 24,3% das aplicações foram feitos em títulos com vencimentos acima de 10 anos.

Imagem da Editoria Exame Invest
Agência Brasil


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame