Exame Invest
Minhas Finanças

Taxa de juro para empresas atinge menor percentual da história, diz Anefac

PUBLICADO EM: 9.7.20 | 13H10
ATUALIZAÇÃO: 9.7.20 | 13H11
A taxa passou de 3,06% ao mês em maio para 3% em junho - menor já registrada. Já para pessoas físicas os juros passaram de 5,69% para 5,65% 
Juros

Juros: queda se dá pela redução da taxa Selic e continuidade do movimento de afrouxamento monetário, além das operações de crédito com juros baixos e aportes do governo para pagamento das folhas das empresas pequenas e médias (Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Natália Flach



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Pelo terceiro mês consecutivo, as taxas de juros de operações de crédito caíram. Com uma redução de 0,06 ponto percentual, a taxa média de juros para empresas atingiu o menor percentual da série histórica, de acordo com levantamento da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). A taxa passou de 3,06% (43,58% ao ano) em maio para 3% (42,58% ao ano) em junho.

Por sua vez, a taxa média geral para pessoa física apresentou uma redução de 0,04 ponto percentual, passando de 5,69% (94,27% ao ano) em maio para 5,65% em junho (93,39% ao ano), sendo este o menor patamar desde dezembro de 2013, de acordo com . Das seis linhas pesquisadas, duas mantiveram suas taxas em junho – juros do comércio e CDC de bancos para automóveis –, enquanto as demais foram reduzidas.

A explicação, segundo Miguel José Ribeiro de Oliveira, diretor executivo da Anefac e responsável pela pesquisa, se dá pela redução da taxa Selic e continuidade do movimento de afrouxamento monetário, além das operações de crédito com juros baixos e aportes do governo para pagamento das folhas das empresas pequenas e médias. Também reflete a renegociação de dívidas com juros menores.

"Para os próximos meses, tendo em vista a piora do cenário econômico com maior risco de crédito e da elevação da inadimplência, a tendência é que as taxas de juros possam ser elevadas. No entanto, algumas ações do BC podem amenizar estas altas, como redução de impostos, compulsórios e reduções da Selic”, diz em nota.

Imagem da Editoria Exame Invest
Natália Flach


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame