Maiores fundos de previdência sequer superam o CDI; veja ranking | Exame Invest
Exame Invest
Onde Investir

Maiores fundos de previdência sequer superam o CDI; veja ranking

PUBLICADO EM: 5.3.21 | 6H34
ATUALIZAÇÃO: 5.3.21 | 6H39
Altas taxas de administração e estratégias de alocação ajudam a explicar o desempenho aquém do benchmark dos maiores fundos previdenciários do mercado

Maiores fundos de previdência não conseguiram acompanhar o CDI, indicador de referência

Foto de Bianca Alvarenga da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Bianca Alvarenga

Repórter especializada em finanças pessoais e investimentos, passou pelas redações de Veja, Folha de S. Paulo e 6 Minutos.



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Os maiores fundos de investimento em previdência brasileiros enfrentam dificuldade em entregar resultados aos seus cotistas. Os três fundos com maior volume de recursos do mercado registraram um rendimento líquido menor do que o do próprio CDI, a taxa de referência da renda fixa, no ano passado, segundo levantamento elaborado pela fintech de previdência Onze.

São fundos que investem os recursos principalmente em renda fixa e que têm um patrimônio somado de mais de 110 bilhões de reais.

O cenário ruim não foi exclusivo para o top 3 dos fundos de previdência. Entre os 10 maiores fundos da categoria, apenas três conseguiram superar o CDI, que teve variação de apenas 2,77% no ano passado.

Que tal investir com especialistas que selecionam a nata da nata dos fundos para o seu perfil? Conheça a EXAME Research

As principais razões para o desempenho abaixo do CDI dos fundos de previdência ainda são as altas taxas cobradas pelas gestoras. Com a taxa básica de juros a 2% ao ano, o segundo maior fundo previdenciário em renda fixa tem uma taxa de administração de 1,5% ao ano -- ou seja, 75% do indicador de referência (benchmark) é consumido já na largada pelo custo do fundo.

Até mesmo entre os fundos multimercados, que investem em ativos de maior risco, a superação do CDI não foi líquida e certa. Dos 10 fundos com maior patrimônio, 4 não bateram o indicador de renda fixa.

Veja abaixo o ranking de maiores fundos de previdência e o desempenho de cada um em 2020:

Renda fixa

FundoDesempenho em 2020Patrimônio (em R$)Taxa de administração
BRASILPREV RT FIX VI FIC RENDA FIXA2,27%39,1 bi1,25%
BRASILPREV RT FIX II FIC RENDA FIXA2,01%38 bi1,5%
BRASILPREV RT FIX VII FIC RENDA FIXA2,73%34,5 bi0,8%
BRADESCO ATHENAS PGBL/VGBL FIC RENDA FIXA3,54%22,4 bi0,6%
BRADESCO VGBL F10 FIC RENDA FIXA2,59%21 bi1%
ITAÚ FLEXPREV VISION FIC RENDA FIXA2,41%19,99 bi0,8%
BRASILPREV RT FIX C FIC RENDA FIXA2,52%19,1 bi1%
ITAÚ FLEXPREV VISION PLUS FIC RENDA FIXA2,61%14,6 bi0,6%
BRASILPREV RT PREMIUM FIC RENDA FIXA3,10%13,2 bi1,25%
BRADESCO PRIVATE ATIVO F 08 C PGBL/VGBL FIC RENDA FIXA3,33%12,8 bi0,8%
CDI2,77%--

Multimercados

FundoDesempenho em 2020Patrimônio (em R$)Taxa de administração
BRADESCO PORTFÓLIO MODERADO PGBL/VGBL FIC MULTIMERCADO3,20%10,5 bi1%
BRADESCO PORTFÓLIO DINÂMICO PGBL/VGBL FIC MULTIMERCADO3,74%7,5 bi1%
ITAÚ PREV VERDE AM FI MULTIMERCADO9,12%6,8 bi2%
ITAÚ PRIVATE PREV IMP 3 FIC MULTIMERCADO2,39%6,4 bi1%
BRADESCO PORTFÓLIO ARROJADO PGBL/VGBL FIC MULTIMERCADO4,85%4,4 bi1%
BRASILPREV MULTIESTRATÉGIA II FIC MULTIMERCADO0,30%4,3 bi2%
BRASILPREV RENDA TOTAL CICLO DE VIDA 2040 FIC MULTIMERCADO3,46%3,8 bi2%
ITAÚ PRIVATE PREV PERFIL 2 FIC MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO2,85%3,7 bi0,8%
ITAÚ PRIVATE PREV IMP 3 II FIC MULTIMERCADO2,63%3,1 bi0,8%
KINEA PREV FI MULTIMERCADO1,26%3 bi1,5%
CDI2,77%--
Ibovespa2,92%--

Além do CDI e do Ibovespa, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) possui um indicador alternativo para acompanhar o retorno dos fundos de investimento como um todo. O indicador, chamado de IHFA, registrou alta de 5,51% em 2020. Apenas um fundo de previdência multimercado conseguiu superar esse patamar.


Recomendado para você

O ranking elaborado pela fintech de previdência Onze não considerou os fundos exclusivos, master ou de fundações.

"No geral, foram melhor os fundos de previdência que mantiveram uma carteira de investimentos diversificada, com aplicações não só concentradas em renda fixa pós-fixada, categoria de menor risco bem comum para fundos de previdência, mas também títulos prefixados e indexados à inflação, ações (com destaque para renda variável no exterior) e dólar", observou a Onze em relatório.


Leia também

Foto de Bianca Alvarenga da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Bianca Alvarenga

Repórter especializada em finanças pessoais e investimentos, passou pelas redações de Veja, Folha de S. Paulo e 6 Minutos.


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame