Poupança tem maior perda anual para a inflação em 17 anos | Exame Invest
Exame Invest
Onde Investir

Poupança tem maior perda anual para a inflação em 17 anos

PUBLICADO EM: 13.3.21 | 7H50
ATUALIZAÇÃO: 12.3.21 | 22H52
Brasileiro que deixa o dinheiro parado na poupança tem ampla perda de poder aquisitivo, ou seja, o dinheiro passa a valer cada vez menos
A poupança está rendendo tão pouco que a diferença para a inflação é a maior em 17 anos

A poupança está rendendo tão pouco que a diferença para a inflação é a maior em 17 anos (Getty Images/iStockphoto)

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Que a poupança não é uma escolha adequada para quem deseja multiplicar o patrimônio já é algo conhecido. Com uma fórmula que limita a rentabilidade, a caderneta tradicionalmente perde para o CDI, o índice de referência da renda fixa.

Mas o retorno está tão baixo que tem levado o investidor a uma perda do poder de compra -- ou seja, em relação à inflação -- que não se via desde o início do século.

Quer sair das dívidas e começar a multiplicar suas reservas? Conheça o Manual do Investidor

Vamos aos números: a rentabilidade anual da poupança no mês de fevereiro, descontada a inflação ao consumidor acumulada no período, foi de -3,21%. A queda do poder aquisivo não era tão grande desde setembro de 2003, ou seja, fazia 17 anos e cinco meses. Os dados são da consultoria Economatica.

Essa queda é explicada pela fórmula de rentabilidade da poupança, a mesma desde 2012. Em momentos em que a Selic, que é a taxa básica de juros, está igual ou abaixo de 8,5% ao ano, o retorno será dado pelo cálculo de 70% da Selic acrescido da Taxa Referencial, a TR.

Como a Selic está em 2% ao ano desde agosto do ano passado, enquanto a TR está zerada, a rentabilidade anualizada da poupança fica naturalmente abaixo de 2% -- ela foi de 1,82% em fevereiro. Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (o IPCA) ficou acumulado em 5,20% nos 12 meses até fevereiro, o que deu o retorno negativo de 3,21%.

Foi o sexto mês consecutivo de rendimento negativo da poupança, o que faria supor que poucos brasileiros vão deixar seu dinheiro parado. Mas há mais de 1 trilhão de reais depositado nas cadernetas de milhões de brasileiros, um valor que só cresce apesar do rendimento baixo por causa do efeito multiplicador em cima de base gigantesca.

Nos dois primeiros meses deste ano, foram retirados líquidos (ou seja, saques menos depósitos) mais de 24 bilhões de reais, o que costuma ser comum porque se trata de época de ano de pagamento de muitas contas, como IPTU, IPVA, matrículas escolares e outras despesas de ensino. Mas houve também quem descobriu que é possível multiplicar o patrimônio com outras classes de ativos.


Recomendado para você


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame