Exame Invest
Invest Opina

A gestão de risco do seu portfólio

PUBLICADO EM: 13.7.21 | 10H48
ATUALIZAÇÃO: 13.7.21 | 10H52
Uma das maiores armadilhas dos investidores é não conseguir reconhecer ou aceitar que erraram em decisões de investimentos e incorrer em prejuízos enormes
17. Gerente de riscos

Risco de mercado, como a queda das cotações, é um dos principais riscos que ameaçam os investimentos | Foto: Getty Images

Imagem da Editoria Exame Invest
Jerson Zanlorenzi*



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Dentro do mundo de investimentos, existe uma tarefa que muitas vezes é esquecida pelos investidores, mas deveria ser uma das mais importantes: controlar o risco dos seus investimentos.

Mesmo com um processo de diversificação de riscos bem executado, os ativos financeiros sempre vão estar suscetíveis a riscos. A intenção dessa estratégia é mitigar e suavizar os impactos em casos de possíveis perdas.

Ao longo do processo de construção de riqueza é aceitável que algumas decisões de investimentos não apresentem o resultado esperado e, por isso, seja necessário encerrar essa operação, ou “stop loss”, como o mercado chama.

Uma das maiores armadilhas dos investidores é não conseguir reconhecer/aceitar que erraram em decisões de investimentos e incorrer em prejuízos enormes. Durante toda a jornada de construção da sua riqueza, a filosofia deve ser buscar acertar muito mais do que errar, porém a grande magia é reconhecer decisões erradas logo no início.

Quando falamos de riscos, o mercado utiliza classificações:

Risco de Mercado

O risco de mercado é o risco de perdas nas aplicações financeiras causadas por movimentos adversos de preços. Exemplos de risco de mercado são: mudanças nos preços das ações ou preços das commodities, mudanças nas taxas de juros ou flutuações cambiais.

Risco de Crédito

O risco de crédito é o risco de um tomador de empréstimo não cumprir um empréstimo ou obrigação financeira relacionada.

Risco de Liquidez

No contexto dos mercados negociados, o risco de liquidez é o risco de não ser possível comprar ou vender ativos de um determinado tamanho durante um determinado período sem afetar adversamente o preço do ativo. O risco será alto se, por exemplo, uma grande negociação estiver sendo executada durante um curto período em um mercado com liquidez insuficiente.

Quando o assunto é proteção de portfólio a estatística é fundamental. Uma das análises utiliza a “Distribuição Normal”, em que são plotados cenários de perdas e probabilidades de acontecer. Nas extremidades ficam as chamadas “caldas”, nas quais podem acontecer movimentos de baixíssima probabilidade, mas alto impacto, conhecidos como “Black swan theory”.

(Reprodução/Reprodução)

Exemplo mais recente desse tipo de movimento foi a queda dos mercados acionários devido à pandemia da Covid-19.

 

*Jerson Zanlorenzi é o responsável pela mesa de ações e derivativos do BTG Pactual Digital. Já foi estrategista de ações e trabalhou em fundos exclusivos. Com mais de dez anos de experiência no mercado financeiro, se especializou em renda variável e atuou em mesas relevantes no mercado local. Possui dupla graduação em Administração e Ciências Contábeis pelo IBMEC-RJ.

Imagem da Editoria Exame Invest
Jerson Zanlorenzi*


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame